Vergonha? do que? de quem?

Vergonha? do que? de quem?

 

Vocês viram o vestido de casamento a princesa da Inglaterra que casou neste mês?

O decote era para deixar à vista uma grande cicatriz na coluna; a intenção dela era apoiar as mulheres a não esconder suas marcas.

Quanto esforço fazemos para esconder nossas marcas!!! Vergonha delas.

Como e onde aprendemos a ter medo da opinião dos outros?

Como queremos agradar!!!!

Sentir vergonha, todos sentimos porque queremos fazer uma boa figura no grupo e/ou para quem damos importância.

Aí fazemos esforço para disfarçar.

Aí fazemos esforço e terapias para ser naturais confortavelmente e com sorrisos.

Mas existe a vergonha alheia.

Aquela vergonha pelo comportamento inadequado do outro, ou que acreditamos inadequado.

É um comportamento que pensamos que não combina com o grupo ou com a situação.

Às vezes não combina mesmo! A roupa não é para a situação, a fala não soma, a altura da voz agride mesmo, os gestos são teatrais, os talheres e pratos são usados comicamente como armas de batalha etc.

Às vezes são nossos valores que provocam essa vergonha alheia; e valores sociais são culturais não são verdades absolutas.

Mas rola uma dúvida: o outro “apronta” e eu que me sinto envergonhado (a)?????

O que será que vão pensar da companhia que escolhi?  E….????? vou ser excluído(a)? não vou ser convidado(a) outra vez?

Outra coisa: onde no corpo “gruda” a sensação dessa vergonha?

Aproveite esse desconforto como treinamento. Medite nessa sensação do corpo.

Aquiete-se e respire nessa sensação SEM JULGAR durante 8 minutos.

Agora sorria, nem que seja um sorriso forçado. Sorrir descola.

Tudo passa! Tudo perde o poder. Até essa vergonha.